Webmail

* *

21/01/2016
Estudo que indica três anos consecutivos de recessão para SP assusta gabinete de Alckmin
Imagem de Estudo que indica três anos consecutivos de recessão para SP assusta gabinete de Alckmin

Nuvens negras Projeções desoladoras sobre a economia de SP chegaram à mesa de Geraldo Alckmin. Estudo da Fipe, encomendado pelo governo local, indica queda de 4% no PIB do Estado em 2015. Tal retração é mais profunda que a de 3,7% esperada para o país. A pesquisa sustenta que os paulistas enfrentarão três anos consecutivos de recessão. Em 2014, a queda fora de 2%. Em 2016, o PIB deve cair ao menos 2,6%. O bloqueio de gastos anunciado por Alckmin tende a agravar o cenário.

Ladeira abaixo Os gráficos mostram que, desde 2014, a produção da indústria e as vendas no varejo só fazem cair. A massa salarial da região metropolitana de São Paulo também vem murchando.

Como faz Secretários próximos já se preparam para uma explosão no desemprego neste ano e um cenário desafiador até o fim do mandato do governador.

Alcatraz Um preso chegou até o telhado do CMP (Centro Médico Penal), em Pinhais, onde está a maioria dos detentos da Lava Jato. Mas o fujão acabou contido pelos policiais. O ex-ministro José Dirceu relatou o episódio a alguns de seus visitantes com certo humor.

Cabelo em pé O Palácio do Planalto não está nada contente com o ministro da Saúde, Marcelo Castro. Além de ser visto como uma verdadeira metralhadora giratória de frases polêmicas, o titular da pasta ainda não conseguiu, aos olhos do governo, aliviar o surto de dengue no país, apesar dos investimentos.

Interventores Diante da insatisfação com a atuação do ministério, a Casa Civil assumirá a coordenação das ações federais contra a epidemia. Dilma também tem dado cada vez mais atribuições ao general Adriano Pereira Júnior, chefe da Defesa Civil, no combate à doença.

Edward Paulinho da Força retornou à presidência da central sindical com a tesoura na mão. Pelo menos três funcionários de grupos contrários a ele perderam cargos. A justificativa oficial é a falta de dinheiro.

Vivo ou morto Hoje adormecida, a possibilidade de rompimento com o governo na convenção de março ainda anima alas do PMDB. Apostam na recessão para inflamar os descontentes.

Cordão umbilical A presidente da República perderá um de seus mais longevos assessores. Anderson Dorneles, há 19 anos atuando como uma espécie de sombra de Dilma, pediu em outubro para deixar o governo. Voltará para Porto Alegre em março, logo depois de se casar.

88 minutos Com medo do vazamento de versões conflitantes, a reunião de Dilma e Temer nesta quarta-feira (20) foi literalmente cronometrada. O ponteiro do relógio marcava 10:14 quando o encontro começou. O ministro Ricardo Berzoini juntou-se à dupla após 16 minutos. Jaques Wagner entrou logo em seguida. Às 11:32, a reunião terminou.

Olho grande Não é só a eleição para a liderança do PMDB que preocupa o Planalto. O comando de bancadas da base, como o PP, e até da oposição, como o PSB, estão no radar do governo. O temor é que líderes menos vinculados ao Planalto assumam esses cargos.

À espera O diretório paulistano do PSDB solicitou ao TRE que ceda urnas eletrônicas para a realização das prévias da sigla. A resposta ainda não veio. Mas o tribunal já confirmou que mais de 27.000 filiados estão aptos a votar. Em 2012, eram 21.000.

Quórum O empresário João Dória, pré-candidato tucano à Prefeitura de SP, espera que um bom número de secretários de Alckmin aceite seu convite para um jantar nesta quinta (20). A ideia é que ele possa se apresentar aos auxiliares e falar sobre suas ideias para a cidade.


TIROTEIO

A nova equipe econômica tem de ter ousadia no anúncio das medidas. Se não correr riscos, não retomaremos o crescimento econômico.

DE JOSÉ GUIMARÃES (PT-CE), líder do governo na Câmara, sobre a expectativa da base aliada em relação ao novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa.


CONTRAPONTO

O deputado federal Bruno Covas (PSDB-SP) comentava satisfeito que a emenda de sua autoria incluída na Lei da Repatriação de recursos mantidos no exterior havia escapado da lista de vetos da presidente Dilma Rousseff.
O item proíbe que políticos e seus parentes se beneficiem da anistia promovida pelo governo com a nova lei e legalizem recursos não declarados à Receita Federal.
Houve quem desse os parabéns ao parlamentar. Houve quem discordasse da iniciativa. E houve ainda quem cobrasse Covas de forma mais direta:
— Caramba, Deputado! Como é que eu vou trazer agora as rapaduras do meu Piauí? — disse um, para riso geral.

 

Fonte: PAINEL/Folha


Leia mais

Baixe Gratuitamente

Redes Sociais

Projeto: Mídia Consulte